“A stable sense of self is rooted in the lungs, heart and gut” by Alessandro Monti [Psyche]

“Um senso estável de identidade está enraizado nos pulmões, coração e intestino

Alessandro Monti
Alessandro Monti é pesquisador do Laboratório de Neurociência Social e Cognitiva da Universidade de Roma. Seu trabalho foca no papel dos sinais fisiológicos viscerais para a autoconsciência corporal. Ele mora em Roma.

6 DE DEZEMBRO DE 2021

https://psyche.co/ideas/a-stable-sense-of-self-is-rooted-in-the-lungs-heart-and-gut

(…)

Considere como, agora, você poderia estar em um lugar, com um senso de humor ou em uma situação muito diferente de 20 segundos ou 20 anos atrás, mas ainda assim sente que, em um sentido fundamental, é a mesma pessoa. Isso ocorre em parte porque, como William James colocou em The Principles of Psychology (1890), você está ciente de que “o mesmo velho corpo” está sempre com você, exalando calor e intimidade. Com exceção dos sonhos e dos estados alterados da mente, todas as experiências conscientes acarretam esse sentimento sutil, mas penetrante, de autoconsciência corporal. Mas de onde vem isso? A sensação não pode derivar meramente da aparência externa do corpo, porque você poderia gastar muito tempo e dinheiro para mudar sua aparência sem se sentir como uma pessoa diferente (não importa o quanto cabeleireiros e designers tentem convencê-lo do contrário). Em vez disso, a base corporal de seu eu estável deve brotar de uma fonte mais estável. E uma vez que o corpo é sentido não apenas de fora, mas também de dentro, seus órgãos internos podem ser uma dessas fontes.

Na verdade, uma característica notável dos órgãos viscerais é o fato de que eles passam por ciclos fisiológicos constantes e previsíveis. Batimentos cardíacos, respirações e contrações intestinais se repetem com regularidade, mantendo o corpo aquecido e alimentado – um equilíbrio fisiológico conhecido como homeostase. Além disso, cada um desses ciclos envolve nervos periféricos – especialmente o nervo vago – enviando sinais químicos e elétricos ao sistema nervoso central. Como resultado, a atividade de regiões específicas do sistema nervoso central sincroniza-se com as flutuações cardíacas, respiratórias e gástricas. Embora as impressões sensoriais provenientes do ambiente externo variem de momento a momento e desapareçam, esse acoplamento entre o cérebro e as vísceras é uma característica permanente de sua fisiologia. Você pode fechar os olhos, tapar os ouvidos, tapar o nariz ou selar a boca, mas não pode se isolar das entranhas. Tudo muda ao seu redor, mas seus órgãos internos estão sempre lá, sempre transmitindo sinais para o cérebro, sempre tocando seu baixo completo na grande música da vida. O lado interno do corpo é o único objeto sobre o qual você não pode parar de receber informações, o único objeto que você sempre sente do início ao fim de seus dias. Assim, os órgãos internos são os principais candidatos como base para construir e manter seu senso de identidade ao longo do tempo.

(…)

Os resultados são encorajadores. Quando o trato gastrointestinal estava mais ativo, conforme indicado por pressão mais alta, temperatura mais alta, aumento da secreção de ácido no estômago ou um ambiente mais básico no intestino grosso, os participantes tinham uma percepção mais nítida de seu eu corporal. Quando o trato gastrointestinal estava menos ativo, suas sensações de autoconsciência corporal eram decididamente mais confusas. Uma possível explicação é que órgãos e tecidos viscerais mais ativos desencadeiam uma resposta mais forte do vago e de outros nervos periféricos que transmitem sinais do corpo para o cérebro. Isso, por sua vez, poderia aumentar a atividade de áreas corticais alvo que codificam um “mapa” ou representação interna do corpo, aumentando a chance de que tal mapa emerja na consciência. Estudos adicionais explorando explicitamente a atividade dessas regiões corticais nos fornecerão uma imagem mais clara. No entanto, as evidências acumuladas até agora já mostram que estar ciente do próprio corpo é, literalmente, um “gut feeling”.

(…)

Havia uma lacuna tecnológica a ser preenchida, e as pílulas inteligentes forneceram uma resposta brilhante para isso. No entanto, o verdadeiro progresso científico depende da mudança dos quadros de referência, não apenas das ferramentas de investigação. Uma limitação importante da psicologia e neurociência contemporâneas é que os estudiosos substituíram o antigo dualismo cartesiano – mente versus corpo – por um novo dualismo: cérebro versus corpo. A nova dicotomia é ainda mais crua do que a anterior, e certamente não menos rígida. Os experimentadores recusaram-se a tomar nota do que quer que acontecesse ao sul do pescoço porque a imagem científica do dia rejeitou o que as eras anteriores haviam observado cuidadosamente – a sabedoria do coração, o poder de respirar e a inteligência do intestino. Agora, graças a uma onda de novas descobertas de pesquisa, com mais por vir, sabemos que essas intuições podem ser totalmente reconciliadas com uma visão científica do self. Sua consciência realmente tem raízes profundas e ricas em seus sentimentos corporais. É hora de recuperar a profundidade total do seu ‘eu’, para deixá-lo florescer por toda a parte.” [Google Tradutor]

Leave a Reply

Your email address will not be published.